Porque jogar (em 5G) significa focar no futuro

A crescente difusão da rede 5G promete levar ao desenvolvimento de novos modelos de negócio, bem como a novas maneiras de usar esses modelos. A Reply escolheu realizar um teste prático sobre o potencial dos jogos em nuvem e, sobretudo, as promessas dessa rede, a qual espera-se que revolucione para sempre nosso modo de vida, não apenas os jogos.

As sessões de jogos em nuvem da Reply, otimizadas pela rede 5G, possibilitaram testar o potencial real dessa nova geração de rede, analisando um dos casos de uso mais discutidos no contexto de videogames sob demanda, tornando-o realidade e demonstrando por que jogar (em 5G) significa focar no futuro. Um experimento bem-sucedido!

5G é um divisor de águas dos jogos no Cloud Gaming

Hoje, o mundo dos videogames exige um esforço computacional muito alto em dispositivos locais, sejam eles computadores ou nos próprios videogames (devido à qualidade da saída, funcionalidades etc.). Ao permitir que uma parte significativa dessa estimativa ocorra na computação de borda ou na nuvem, os dispositivos podem se tornar muito mais leves. Contudo, ao mesmo tempo, é necessária uma conexão de alto desempenho.

O serviço lançado pelo Google’s Stadia é um exemplo claro que ilustra como a lógica de streaming pode ser aplicada nos videogames e na desmaterialização dos consoles. O serviço permite que os usuários joguem em um ambiente baseado em nuvem, através de plataformas capazes de executar o Chrome, transferindo toda a capacidade de computação para o datacenter, com o objetivo de garantir, não apenas um desempenho de streaming 4K, mas de tentar dobrá-lo de 60 à 120 quadros por segundo, com uma resolução de 8K.

“O Cloud Gaming é um dos casos de uso mais comentados desde a introdução do 5G. Nós testamos no modo multiplayer e foi interessante ver como o jogo atingiu níveis tão altos de qualidade e confiabilidade de conexão com essa tecnologia”.

Paolo Capitelli, Diretor de Communities of Practice da Reply

O 5G será pelo menos 100 vezes mais rápido que o 4G e oferecerá até 10 vezes menos latência, com consequências que vão muito além da capacidade de baixar dados na ultra velocidade de 20 gigabyte por segundo.

A próxima geração das aplicações 5G

A abordagem dos jogos em streaming representa, portanto, o teste perfeito para o 5G, pois requer e tira o máximo proveito das características específicas da conectividade super rápida: latência (baixa) e largura de banda (alta) que representam os dois aspectos técnicos mais críticos, que garantem a máxima experiência de jogo imersiva e realista de todos os tempos, inclusive a partir de dispositivos móveis.

Uma das características mais revolucionárias do 5G é a capacidade de divisão da rede, ou seja, a capacidade de configurar dinamicamente a rede com base em condições contingentes, prioridades e urgências. Isso não apenas permite uma maior eficiência e eficácia em custos, prazos e flexibilidade,

mas também garante níveis de segurança sem precedentes, abrindo a porta para cenários aparentemente inimagináveis até agora: desde o surgimento de sistemas de direção autônoma, até a possibilidade de executar um procedimento cirúrgico remotamente. Vale ressaltar que o número de objetos inteligentes conectados deve atingir quase 50 bilhões até o final de 2020.